Saberias reconhecer os alimentos aptos para celíacos?

quinta, 16 de maio de 2019

Celebramos o dia internacional do celíaco!

Dia 16 de Maio comemora-se em Portugal, o Dia Internacional do Celíaco. Uma data que a APC (Assossiação Portuguesa de Celiacos), propôs dar visibilidade e apoio às pessoas celíacas. Nós também queremos prestar o nosso grãozinho de areia e proporcionarmos informação útil para facilitar a vida das pessoas que sofrem esta doença que são, nem mais nem menos, que entre 1% e 2% da população. Ninguém está isento de padecer celiaquia, pode ser manisfestada em qualquer idade!

Vamos repassar rapidamente os conceitos mais importantes! 💡

As pessoas celíacas são aquelas que sofrem uma intolerância ao glúten de forma permanente ou, que é igual, uma incapacidade de digerir a proteína complexa que se encontra nos grãos dos cereais do trigo, da cevada, do centeio, da aveia, da espelta e noutras variedades como o Kamut e o triticale. Atenção! Não existem comprimidos nem milagros… O único tratamento eficaz contra os incómodos síntomas da celiaquía, é a eliminação total dos alimentos que contém glúten da nossa dieta.

                                     

Em função do seu conteúdo em glúten, classificamos os alimentos como:

  • Alimentos sem glúten. 
  • Alimentos com glúten.
  • Alimentos que podem conter glúten. 

Então… Como sabemos se um alimento é apto para celíacos? 🙄 Pega no caderno!

O primeiro e o mais importante é conhecer quais os cereais que têm glúten e quais não. Assim que os tivermos identificados, lembrem-se: há muitos alimentos sem processar frescos, congelados e naturais totalmente isentos destes cereais! Aqui deixamos-vos uma lista.

ALIMENTOS FRESCOS SEM GLÚTEN:

Lácteos e os seus derivados naturais.
Todos os tipos de carnes e vísceras frescas e congeladas. Sim, o presunto entra.
Peixe e marisco fresco, em conserva, ao natural ou em azeite.
Ovos frescos, líquidos e em pó.
Verduras, hortaliças e tubérculos. Frutas. Legumes.
Cereais como arroz, milho, painço, sorgo, trigo sarraceno e quinoa.
Frutos secos crus.
Azeite, manteiga tradicional e margarina.
Café em grão ou moído, infusões sem aromas.
Toda a classe de vinhos e bebidas espumosas.
Sal, vinagre de vinho, especiarias secas e naturais.
Açúcar, mel e edulcorantes.

Todos estes alimentos já podemos anotá-los na nossa lista de compras!

Mas.. Falta algo mais! 😉 Como sabemos a quantidade de glúten dos produtos embalados ou processados?

Existem vários métodos que nos ajudarão a escolher corretamente os produtos que podemos consumir.

Atentos às etiquetas dos alimentos embalados! ➡ 

Aprender a ler as etiquetas é super importante para que não nos enganem e, que também, sejamos capazes de escolher o produto mais saudavel e conveniente à nossa dieta.

Por outro lado, as leis facilitaram-nos um pouco as coisas, já que o Regulamento 1169/2011 regula a informação que se deve facilitar aos consumidores. Os alimentos que têm cereais que contenham glúten (trigo, cevada, centeio, aveia e os menos conhecidos, espelta e kamut) devem ser identificados na lista de ingredientes e de forma destacada (cor de fundo diferente, em negrito ou de alguma forma notável). Por isso, é muito importante lermos bem a lista de ingredientes para podermos evitar aqueles produtos que estejam elaborados com estes cereais.

Além disso, existe outra ferramenta que usam os fabricantes de forma voluntária para ajudar-nos visualmente a detetar se o produto em questão leva ou não glúten.
Estamos a falar dos mbolos oficiais. São muitos e muitos diversos, mas todos indicam que o produto contém menos de 20ppm de glúten que é a quantidade estabelecida há anos para que um produto se considere  apto para celiacos. Inclusive há alguns (como o desenho da APC) que certifica que o produto está por debaixo de 10ppm! Muito mais seguro!.
Há que destacar que é voluntário e por isso, cada fabricante elabora o seu próprio símbolo. Por isso existem tantos diferentes!

Agora podem diferenciar, sem se enganarem, os alimentos que contêm glúten, assim que esperamos que tenham aprendido, e… Calma, podemos assegurar-vos que a prática é muito mais simples que a teoria. :mrgreen: 

Recordem-se: O único tratamento apto para tratar a celiaquía é a eliminação completa dos alimentos que tenham glúten da nossa dieta. Apenas há que aprender a identificá-los!

Sugerimos também

Deixa um comentário