R, Wiki

Para que serve Beets? Benefícios e propriedades | NutriTienda

sexta, 1 de janeiro de 2010

A beterraba (Beta vulgaris), também é conhecida por betarraga, beterraga, betabel, acelga branca, beteraba e betarava. É uma planta da família Chenopodioideae incluída na família Amaranthaceae.

A beterraba é uma planta perene cuja folhagem e raízes são muito utilizadas como alimentos.

Existem numerosas variedades de beterraba, a beterraba de mesa é uma das mais empregadas na alimentação, mas não devemos esquecer a acelga que pertence à mesma família da beterraba e dos espinafres e que partilha o mesmo perfil de sabor, da que se utilizam as suas folhas, ou a beterraba açucareira amplamente empregada na produção de sacarose e que se diferencia facilmente pela sua cor branca e por ser elevada em kcal.

A beterraba de mesa, é uma raiz grossa, de cor vermelha-púrpura e carnosa; a sua cor deve-se à dois pigmentos, a betacianina e a betaxantina (Antocianinas). Se denomina Betanina ou vermelho beterraba, designado também como corante E-162, são pigmentos naturais não tóxicos, já que não são digeridos pelo ser humano, pinta o bolo alimentar, os excrementos e a urina de vermelho (beeturia) e através dos mesmos é excretado ao exterior, por este motivo, é frequentemente usada como corante em produtos alimentares. Este corante é resistente à condições ácidas, mas altera-se facilmente por aquecimento à cor castanha, especialmente com a presença de ar.

Não existem registos de efeitos nocivos deste corante, e por isso,a OMS não estabeleceu um limite à dose diária admissível.

A FDA aprovou tanto a beterraba desidratada como o extrato de beterraba açucareira, como aditivos alimentares e afirma-se que são considerados como seguros (GRAS).

A beterraba é uma planta herbácea energética, é rica em açúcares (mas dependendo da variedade contém maior ou menor teor de açúcares), em ferro, vitaminas C e B, potássio, carotenos e fibra dietética, tanto solúvel como insolúvel. As folhas da beterraba são uma fonte excelente de vitamina A e as raízes, conhecida por todos como beterraba, são uma boa fonte de vitamina C. Cabe destacar também os folatos e certas vitaminas do complexo B, como B1, B2, B3 e B6.

Por outro lado, é também rica em potássio e baixa em sódio, produz um efeito diurético que favorece a eliminação do excesso de líquidos do organismo.

Ao parecer a beterraba não interfere na absorção de minerais como o zinco, ferro ou cobre.

As pectinas da beterraba podem estimular o crescimento de bactérias probióticas no intestino que estabelecem um equilíbrio natural na Flora Intestinal, sendo especialmente favoráveis. As pectinas da beterraba tem sido utilizadas como fibra dietética para os seres humanos.

Não devemos esquecer que a beterraba é rica em nitratos que em si não são tóxicos, já que absorvem-se rapidamente e são eliminados pela urina, observou-se também que no estômago com o ph ácido, é capaz de destruir bactérias prejudiciais como a Salmonella e a Shigella. O perigo começa quando os nitratos se transformam em nitritos no sistema digestivo, podendo reacionar com aminas procedentes de alimentos proteicos, especialmente os de origem animal, e formar nitrosaminas que são moléculas muito perigosas para o organismo humano.

O açúcar que contém a beterraba é denominado sacarose. O açúcar que se extrai da beterraba (da variedade de beterraba denominada açucareira, já que concentra um maior teor de açúcar) é utilizado como edulcorante desde o século 16 e hoje em dia ainda é utilizado. Após a extração do açúcar ou também a elaboração de sucos de beterraba, sobra a polpa da beterraba, subproduto amplamente utilizado na alimentação animal e também como fonte de fibra dietética nos seres humanos. Também utiliza-se como uma matriz de “biossorção”.

Composto Beterraba de mesa Beterraba açucareira
Calorias 43 336-339
Água 87.58 g 76.6 g
Carboidratos 9.56 g 20.4 g
Gorduras 0.17 g 0.1 g
Proteínas 1.61 g 1.1 g
Fibra 2.8 g 1.1 g
Cinzas 1.08 g 0.7 g
Cálcio 16 mg 115-182 mg
Potássio 325 mg 2619-2638 mg
Fósforo 40 mg 259-323 mg
Sódio 78 mg 286-472 mg
Ferro 0.80 mg 5.5-8.7 mg
Tiamina 0.031 mg 0.08-0.24 mg
Riboflavina 0.040 mg 0.32-0.39 mg
Niacina 0.334 mg 1.64-3.15 mg
Ácido Ascórbico 4.9 mg 23-79 mg

 

Benefícios da sua contribuição

Graças à sua composição foram visualizados os seguintes benefícios após a ingestão de beterraba:

Graças ao seu elevado teor de ferro, a ingestão de beterraba é muito aconselhada como preventivo ou em casos de anemia, convalescença ou doenças do sangue.

Pelo seu excelente teor de ácido fólico, previne defeitos de nascimento do tubo neural do feto e ajuda contra doenças cardíacas e também contra a anemia, já que os folatos intervêm na produção de glóbulos vermelhos e brancos, também intervém na síntese do material genético e na formação de anticorpos no sistema imunológico, motivo pelo que a sua deficiência provoca doenças como a espinha bífida ou a anencefalia antes do nascimento dos bebés. Por este motivo, as mulheres grávidas têm maior necessidades de folatos e também as crianças.

Por outro lado, por ser rica em potássio e baixa em sódio, permite um efeito diurético que favorece a eliminação do excesso de líquidos e toxinas do organismo. Este fator é especialmente benéfico em casos de hipertensão, hiperuricemia ou gota, cálculos renais (exceto em caso de apresentar oxalato de cálcio), retenção de líquidos e oligúria. Com o aumento da produção de urina eliminam-se, além de líquidos, substâncias tóxicas como o ácido úrico, ureia, etc.

A ingestão de meio litro de suco de beterraba ao dia, reduz a hipertensão arterial, além do seu poder diurético, já que os nitratos do suco ao serem misturados com a saliva transforma-se em nitrito, o qual é transformado pelo ácido clorídrico do estômago em óxido nítrico, e este por sua vez, atua como redutor da hipertensão arterial. Cuidado com o excesso de nitratos devido à sua transformação em nitritos.

Contém iodo, evitando o surgimento de bócio, doença causada pelo consumo deficitário ou nulo de iodo. O desenvolvimento de bócio associa-se à um crescimento da glândula tiroide que intervém na regulação do metabolismo.

O seu teor de fibra insolúvel permite manter um ótimo equilíbrio da flora intestinal, enquanto a fibra solúvel mantém um ótimo controlo dos níveis de açúcar e de colesterol no sangue. O correto funcionamento da flora intestinal, graças à fibra insolúvel, permite-lhe ser laxante, combatendo assim a prisão de ventre e os transtornos das hemorroides. É também um ótimo remédio para melhorar a função hepática e as infeções na bexiga.

Corante vermelho: vermelho de beterraba, Betanina ou E-162, como já vimos acima, é o corante natural da beterraba, o vermelho de beterraba não é tóxico, e além disso, contém antocianinas que lhe conferem um grande poder antioxidante, bloqueiam o efeito nocivo dos radicais livres sendo assim amplamente empregado em produtos alimentares, especialmente nos não submetidos à um processo térmico, como os de confeitaria, gelados, inclusive em derivados lácteos destinados ao público infantil.

Pelo seu o valor calórico moderado, (exceto a beterraba açucareira) pode-se fomentar o seu consumo em dietas de controlo de peso, também pelo seu teor de fibra produz uma sensação de saciedade, limitando o consumo de outros alimentos mais calóricos.

Na medicina tradicional, a beterraba tem sido utilizada no tratamento da febre, prisão de ventre, doenças digestivas, doenças do sangue, e até também como afrodisíaco. Na atualidade, a beterraba continua a ser considerada como um medicamento em África, sendo utilizada inclusive para curar o vírus do SIDA entre outras doenças.

As folhas da beterraba também têm uma longa história de uso com fins medicinais.

A evidência preliminar sugere que a beterraba pode ser benéfica para reduzir a inflamação das paredes do abdómen e da pélvis (peritonite tóxica), no entanto, necessita-se mais investigações para determinar se a beterraba é ou não eficaz para qualquer condição médica.

Foram realizados diferentes estudos em seres humanos para testar os efeitos da beterraba no sangue, enquanto aos níveis de glicose, especialmente em casos de diabéticos tipo 2, colesterol e a pressão arterial. No entanto, os resultados foram mistos.

Dosagem

Como a beterraba é considerada segura para a saúde humana, não existe uma dose máxima de ingestão diária.

Mas em certas patologias como em pacientes com diabetes tipo 2, que apresentam um metabolismo da glicose anormal, a ingestão de 27.7 gramas de fibra de beterraba açucareira pode ser a apropriada.

Por outro lado, em casos de colesterol alto, a toma de 26 a 30 gramas de fibra de beterraba açucareira pode ser uma ajuda eficaz.

Precauções

A beterraba é considerada segura.

A FDA aprovou a beterraba desidratada e o extrato de beterraba açucareira base, como aditivo alimentar geralmente seguro (GRAS).

A Academia Americana de Pediatria recomenda evitar o emprego da beterraba ou outros ingredientes ricos em nitrato nos alimentos para bebés menores de três meses de idade para evitar o risco de envenenamento por nitrato. Por outro lado, a Academia Americana de Pediatria, indica que os bebés alimentados com leite materno de mães que consomem beterraba e outros alimentos ricos em nitratos, não estão em risco de envenenamento por nitrato, já que a concentração de nitratos não aumenta significativamente no leite materno.

A beterraba é rica num tipo de ácido orgânico conhecido pelo nome de ácido oxálico. Este composto, tem a capacidade de formar no intestino complexos insolúveis com minerais como o cálcio e o ferro impedindo a sua assimilação, de modos que deve-se ter um cuidado especial em caso de deficiência destes minerais, além disso, há pessoas que têm predisposição à formar cálculos nos rins de "oxalato de cálcio", motivo pelo qual foi restringido o consumo de beterraba para estes casos.

Sugerimos também