Os erros de maquilhagem que nunca deves cometer

quarta, 18 de dezembro de 2019

A maquilhagem é uma poderosa arma que, desde o seu nascimento nos tempos dos impérios egipcio e romano, serviu tanto para fortalecer autoestimas como para expressar estilos e criações. É capaz de apagar anos a pinceladas e de dar um par de lustres por cima se não for aplicada com mino. É que, como sabemos, a linha que separa o sucesso do fracasso é muito fina em questões de make up….

Em muitas ocasiões neste blog e nas nossas redes, já te contamos como triunfar usando um ou outro truque deste mundo, mas hoje nos propusemos reforçar essa linha fina para contar-te quais são as estratégias que deves manter-te afastada… Começamos?

 

O tom sempre natural

Ouvimo-lo até à saciedade, mas não parece verdadeiro para todos nós: não, um tom superior ao nosso não dá sensação de boa cara e não proporciona um bronzeado natural.

A maquilhagem deve ter o mesmo tom da nossa pele. Além disso, ao subir a intensidade da cor, o único que conseguiremos será adicionar-nos anos.

Countouring com cabeça

Sabemos que nas passarelas e nas reuniões familiares das Karashian, manifestam o triunfo das maçãs do rosto. Mas devemos ter em conta que um contouring tão marcado deve-se a um objetivo: enfrentar a luz dos focos e flashes constantes.

Por isso, a não ser que tenhas um evento de tapete vermelho, modera a tua técnica já que um contouring excessivo, no melhor dos casos, conseguirás paracer-te mais à Maléfica que a Kylie.

Maquilhar não é embalsamar

Colocar camada sobre camada não é solução para tapar essa borbulha ou aquela outra imperfeição que nos incomoda. Abusar da maquilhagem somente pode ter um resultado: que a camada se rache à medida que mudamos a nossa expressão facial.

A solução é simples: usa pequenas quantidades e produtos específicos para tapar qualquer imperfeição. A aposta natural sempre será acertada!

Bases leves como plumas

Talvez pelo ponto anterior, temos tendência em pensar que uma base densa “pintará” e durará mais na nossa pele. Nada mais errado: a espessura de uma base não é sinónimo da sua capacidade para pigmentar.

Escolhe uma maquilhagem adaptada às tuas necessidades e confia no conselho de profissionais. Uma base leve pode ser a resposta perfeita para as suas preces e com a vantagem de não rachar!

O pó, espada de dois gumes

Sabemos que o pó pode ser o nosso melhor aliado na hora de matizar e de fixar as cores, mas, cuidado! Aplicado sobre zonas de expressão e contornos podes acrescentar o efeito volume das rugas.

Torrar e brilhar?

Quem não gosta de incluir um pouco de brilli brilli? Dá mais luz ao rosto e frescura mas o problema, como em tudo, está no abuso. Vamos com uma norma básica que te vai guiar nos momentos de dúvida: os pós apenas em quantidades subtis nas maçãs do rosto, nariz e testa. Ao contrário, o highlighter deve ser aplicado, de preferência, na zona alta das maçãs do rosto para um efeito lifting e uma fresca vitalidade.

No entanto, se o teu objectivo é brilhar esta noite, lembra-te desta dica: o iluminador também pode ser aplicado na zona superior e central dos lábios, na ponta do nariz e na parte exterior e inferior da sobrancelha, mas só deve ser visto quando a luz cai directamente sobre estes pontos. Se ele poder ser visto mesmo na penumbra mais escura, foste longe demais.

Pó a pó

Esta norma pode não ser tão evidente à simples vista, mas entenderás quando a leres: a textura dos produtos usados na tua maquilhagem conta quando falamos da ordem da aplicação. É que uma vez aplicado um produto em pó, não deves colocar sobre ele um produto líquido, porque pode acabar rachado. A César o que é de César! 

A linha divisória entre os grandes erros de maquilhagem e o seu sucesso foi criada por nós. Agora só depende de ti e lembra-te: na criatividade está o limite!

 

Sugerimos também

Deixa um comentário