L, Wiki

Para que serve L-Glutamina? Benefícios e propriedades | NutriTienda

sexta, 1 de janeiro de 2010

¿Para que serve la L-Glutamina?

A glutamina é um aminoácido não essencial ou condicionalmente essencial cuja função principal é transportar os grupos nitrogenados, por isso, é o aminoácido em forma livre mais abundante no sangue e nos músculos (60%).

A glutamina é sintetizada a partir do ácido glutâmico, embora os BCAA's tenham também a capacidade de atuar como precursores. A glutamina é um dos poucos aminoácidos que apresenta dois átomos de nitrogénio, o que a converte numa boa fonte de nitrogénio e, por outro lado, a sua síntese ajuda a reduzir o amoníaco que se produz nos outros tecidos.

A glutamina faz parte das proteínas e existe uma relação direta entre o nível de glutamina livre nos músculos e a capacidade de anabolismo, em grande medida devido à sua capacidade de regular a hidratação celular e de aumentar a síntese de hormonas do crescimento. (Welbourne, 1995).

A glutamina possui a capacidade de servir de fonte de energia às células do sistema imune e às células da mucosa intestinal, possui também a capacidade de neutralizar a acidez dos músculos e intervém na formação da glucosamina. Contudo, a glutamina participa na síntese de bases púricas e pirimídicas necessárias para a síntese de ácidos nucleicos, sem esquecer que é precursora da enzima antioxidante glutatião e do neurotransmissor glutamato.

Para os desportistas a glutamina deve ser considerada um aminoácido essencial, já que o seu consumo é muito maior que a sua síntese. Durante o exercício os níveis de glutamina diminuem, observando-se os seus níveis mais baixos entorno aos 90 minutos após o treino. Também se observou que o treino em altitude aumenta as necessidades de glutamina.

Durante o exercício a glutamina pode ser utilizada como fonte de energia e contribui para proteger os músculos contra o catabolismo proteico que tem lugar durante exercícios prolongados ou durante estados de repouso forçado e imobilizações.

Por último, pensa-se que é capaz de atravessar a barreira hemato-encefálica e favorecer o estado de alerta mental, o estado de ânimo e a memória.

Algumas fontes naturais de glutamina são:

  • Origem animal: carne, peixe, laticínios e ovo.
  • Origem vegetal: salsa, espinafres, legumes, cereais integrais e sementes.

A glutamina é destruída durante a cocção dos alimentos, de modos que seria necessário consumir os alimentos crus para aproveitar a glutamina, ou bem optar por um suplemento alimentar para reforçar o seu consumo.

Benefícios da sua contribuição

Como ajuda ergogénica, a glutamina serve para acelerar a recuperação e estimular o crescimento muscular, já que aumenta o volume e a hidratação celular, favorece a síntese proteica e a síntese de glicogénio.

Além disso, é capaz de melhorar o rendimento, reduzindo a fatiga muscular ao diminuir a acidose durante o exercício, servir como substrato para a síntese de glicose e poupar glicogénio.

A glutamina tem a capacidade de reduzir o catabolismo muscular em desportos que implicam uma grande degradação muscular, reduz os desconfortos causadas pela dor muscular, é útil para estimular o sistema imunológico e reduzir assim os sintomas de sobretreino.

Também resulta útil como agente anticatabólico durante períodos de lesão ou imobilização.

Além disso, a suplementação com glutamina melhora a capacidade antioxidante do corpo, sobretudo em situações de stress ou doenças.

A glutamina também demonstrou melhorar a reidratação, melhorando a absorção de água e os eletrólitos.

Uma das formas mais modernas de suplementação para aumentar a sua utilização pelos músculo é como péptidos de glutamina. Também se utiliza a suplementação indireta com BCAAs ou através do consumo de carboidratos durante o exercício para atenuar a sua utilização como substrato e a redução da sua concentração no plasma sanguíneo.

A glutamina é utilizada na nutrição clínica para acelerar a cicatrização de úlceras digestivas, doenças do trato digestivo, prevenir a perda de massa muscular, como apoio nutricional em oncologia e imunodeficiências.

Dosagem

Ao não ser um aminoácido essencial não foram descritas necessidades minimas, no entanto as doses diárias como suplemento estão entorno a 50 miligramas/kg/dia e como suplemento desportivo recomenda-se entre 4 e 10 gramas por dia.

Em relação com o desporto, deve-se consumir 1 hora antes e durante o treino, neste caso como protetor muscular, enquanto para favorecer a recuperação e o anabolismo muscular, aconselha-se consumir uns 60 minutos após o treino.

Outro momento adequado para o seu consumo é antes de dormir para favorecer assim a recuperação durante a noite.

Em casos clínicos como imunodeficiências e conservação do peso, doses de 20 a 40 gramas por dia mostraram melhores resultados.

Precauções

A glutamina é considera um suplemento seguro, se for utilizada dentro das doses recomendadas. No entanto, as pessoas com intolerância ao glutamato monossódico devem utilizar a glutamina com precaução.

As pessoas com patologias hepáticas ou renais devem contar com o assessoramento de um profissional da saúde.

Não existem dados sobre os seus efeitos durante a gravidez e lactância, sendo assim, como precaução, recomenda-se não fazer uso da mesma durante estes períodos.

Sugerimos também