Que ingredientes deve levar uma boa ração para o teu cão?

terça, 4 de junho de 2019

São muitas as perguntas que nos fazemos quando chega a hora de escolher uma boa ração para o nosso amigo de 4 patas. Escolho carne ou peixe? Com cereais ou sem eles?

Os cães são animais carnívoros (embora não de um modo estricto como os gatos) e por isso, tanto os dentes como o seu sistema digestivo, está adaptado a este tipo de alimentação. Embora se adaptam muito bem a ingerir alimentos diferentes como ovos e verduras. Mas, isto não implica que se adaptem a tudo: lembra-te que há alimentos que não devem consumir tais como laranjas ou chocolate!

AInda existem dúvidas na tua cabeça? Não te preocupes! Neste artigo dar-te-emos as chaves para que escolher a ração do teu animal de estimação seja trigo limpo 😀

 

1. Idade e caraterísticas físicas do teu cão.

É muito importante começar pelo princípio: deves ter em conta a idade do teu animal de estimação no momento de escolher a sua comida. A razão? As necessidades nutricionais do teu cão variam dependendo da sua maturidade. Um cachorro não necessita o mesmo que um cão adulto. É obvio, não é? No entanto, nem todos têm em conta que muitos factores como a quantidade de calorias necessárias e os equilíbrios entre proteínas, gordura e hidratos de carbono desempenham um papel na idade.

Da mesma forma, também é importante dar uma ração adequada ao seu tamanho. Além disso, há marcas que realizam um tamanho padrão de croquete independentemente da raça. Mas há outras que as dividem em tamanhos em relação ao seu peso adulto, por exemplo:

X-Small: Para cães de raça muito pequena (de 1 a 3Kg)

Mini : Para cães de raça pequena (de 1 a 10Kg).

Medium: Para cães de raça média (de 10 a 25Kg).

Maxi: Para cães de raça grande (+25Kg).

Logicamente, as necessidades nutricionais não são as mesmas em cães de raças pequenas como em cães de raças grandes e a quantidade de nutrientes varia dependendo do seu tamanho e idade.

2. Qual deve ser o principal ingrediente?

Sempre que olharmos para a etiqueta de composição da ração do nosso cão, temos de fixar-nos no primeiro ingrediente: tem que ser sempre a proteína de origem animal, seja ela frango, carne de bovino, salmão, etc. Existem marcas que indicam a porcentagem de inclusão das mesmas, embora não seja obrigatório. Mas graças a esta informação podes ter uma ideia da qualidade desse produto.

Uma vez identificado o ingrediente principal, é a hora de fazer a típica pregunta: carne fresca ou carne desidratada? Há que ter em conta que, se uma porcentagem de inclusão na fórmula for indicada como carne fresca, esse valor seria enganoso, visto que a carne fresca é, em grande parte, água. No entanto, na carne desidratada irás encontrar um valor mais preciso da quantidade adicionada à ração porque, afinal de contas, a ração é um alimento seco com uma presença residual de água.

Outra questão que devemos valorar é que incluia a carne do animal e não outras gamas da mesma como poderia ser a “farinha de frango ou de borrego”. Isto significa que contém uma mistura de vísceras, ossos, bicos, pele e restos de carne desses animais. Por outro lado, também devemos avaliar a ordem em que aparecem os ingredientes já que tem uma influência decisiva na qualidade e na interpretação daquilo que nos diz a composição.  

Resumindo, o objetivo será sempre aquele com a maior quantidade de proteína animal e com a melhor qualidade da mesma medida (se possível) quando seco.

3. Deve ou não levar cereais?

O único cereal nutricionalmente adequado para o teu cão seria o arroz, e um cereal que é muito importante evitar na ração do teu animal de estimação é o trigo, pois causa inúmeros problemas alérgicos.

Em muitas rações irás encontrar na sua composição altas porcentagens de cereais (sobretudo milho e arroz). Lembra-te de que quanto mais carne houver, melhor. Se a porcentagem de cereais sobe, isto siginifica que vamos encontrar muito recheio e pouca chicha. Além disso, nem todos os cereais são bons: considera-se que o único cereal nutricionalmente adequado para o teu cão é o arroz. O trigo, por outro lado, é um dos menos adequados já que cuasa inúmeros problemas alérgicos.

O arroz, no entanto, é um cereal fácil de digerir e, ao não conter glúten, tem uma baixa incidência de reação alérgica nos cães, na qual minimiza o aparecimento de intolerâncias formuladas para a sensibilidade digestiva ou dietas especiais para a pele e o cabelo.

É verdade que os cães também necessitam alguma porção de hidratos de carbono para ter a sua reserva de energia carregada, mas não deve ser a alimentação principal do teu animal de estimação. Por outras palavras, a soma de cereais que constituem a ração deve ser inferior à proporção de proteína animal.

4. Frutas e verduras.

Além disso, a melhor fonte de carboidratos para o teu cão deve ser a fornecida pelas frutas e vegetais, abaixo detalhamos algumas que podem ser muito benéficas para o teu animal de estimação, especialmente pelo seu conteúdo em fibras:

MaçãContém propriedades digestivas, vitamina C, calcio, e propriedades anti-inflamatórias.

➡ Pera:  É uma fonte perfeita de fibra e potássio, assim, além de promover o trânsito intestinal, vai ajudar-nos a prevenir doenças cardiovasculares e são adequados para cães com diabetes.

Mirtilos: Uma das propriedades mais destacadas dos mirtilos é o seu elevado conteúdo em antioxidantes, sendo uma das melhores frutas para prevenir o aparecimento de doenças relacionadas com o coração do nosso cão. Além disso, são ricos em vitamina C e fibra.

Feijão verde e ervilhas: Ricos em vitaminas A e C e com propriedades antioxidantes, digestivas e, sobretudo, energéticas. Estas verduras são muito benéficas para o nosso companheiro patudo. Em quantidades moderadas, no entanto.

Cenouras: Podemos dizer que são uma das melhores verduras para os cães pelas suas propriedades antioxidantes, depurativas e digestivas.

Espinafres: Este vegetal ajuda a regular o movimento intestinal do nosso cão, graças ao seu conteúdo em fibra. Igualmente, é rico em vitaminas A, C, E, B y F. 

 

5. Ácidos gordos Ómega 3 e 6.

Falamos dos componentes das gorduras e dos óleos.

Formam parte das membranas de cada uma das células do corpo, regulam os processos inflamatórios, influenciam no correto funcionamento das plaquetas, na função visual e no sistema nervoso, contribuem para reduzir o excesso de triglicéridos e colesterol no sangue. Além disso, melhoram o funcionamento do sistema imunitário, reduzem a pressão sanguínea, previnem doenças cardiovasculares e são benéficos para o cabelo e para a pele do nosso animal de estimação. A lista de benefícios é longa o suficiente para nos preocuparmos em incluí-los na alimentação do nosso animal de estimação, certo? 😉 

6. Evita os conservantes e corantes.

Eliminar os compostos químicos da ração para cães é muito importante. A razão é que os aditivos químicos tais como os corantes, conservantes, aromatizantes ou antioxidantes artificiais podem, por exemplo, contribuir para agravar os sintomas das alergias alimentares.

Os alimentos para cães que não contêm aditivos artificiais são sempre mais saudáveis, mais apetecíveis e mais ricos em nutrientes.

A regra é clara: quanto melhor for a qualidade do alimento que um cão come, mais vantagens obtém para a sua saúde e bem-estar. Por isso, opta por uma alimentação 100% natural, livre de aditivos nocivos para a saúde do teu animal de estimação.

E por último e por isso não menos importante…. Observa os excrementos do teu animal de estimação! Sim, leste bem:lol: : as fezes do teu cão são importantes para saberes se o alimento que lhe estás a proporcionar é o indicado!

Embora possa parecer-te estranho, o certo é que verificar as fezes do cão é uma das tarefas diárias que cada dono deve realizar. A cor, a consistência, a frequência, a quantidade ou qualquer alteração das fezes do nosso cão pode alertar-nos de uma possível patologia ou mudança no seu organismo.

Se tens mais dúvidas sobre a ração que seria melhor para o teu animal de estimação e, sobretudo, se vês alguma das alterações que mencionamos anteriormente, não hesites em consultar o teu veterinário de confiança!

A qualidade de vida do teu animal de estimação depende sempre de ti, assim que escolhe bem a sua alimentação e… Cuida do teu companheiro patudo como ele cuidaría de ti!

 

Sugerimos também

Deixa um comentário