H, Wiki

Para que serve hidroxipropilmetilcelulose? Benefícios e propriedades | NutriTienda

sexta, 1 de janeiro de 2010

A hidroximetilpropilcelulose (HPMC) é uma metilcelulose que foi modificada através de um tratamento com álcali e óxido de propileno, e por isso é considerada como uma modificação sintética de um polímero natural, a celulose. Tem a fórmula química [C6H7O2(OH)x(OCH3)e(OCH2CHOHCH3)z]n e é amplamente utilizada como aditivo alimentar (E-464) como emulsionante, espessante e estabilizador.

A hidroximetilpropilcelulose é um pó de cor branco ou quase branco, com forma granulada ou de finas fibras e que se incha na água formando soluções coloidais viscosas. A viscosidade da hidroximetilpropilcelulose relaciona-se diretamente com os grupos metoxi que contém, quanto maior for a concentração destes grupos, maior será a sua viscosidade.

A hidroximetilpropilcelulose não é digerida nos intestinos e também não pode ser fermentada pela flora intestinal, por tanto, se considera uma fibra dietética não fermentável.

Benefícios da sua contribuição

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (ESFA) emitiu um comunicado relativo às propriedades saudáveis da hidroxipropilmetilcelulose (HMPC) onde afirma que existem evidências suficientes para estabelecer uma relação entre a sua ingestão e os seguintes efeitos:

Redução da resposta glicémica postprandial.

A glicemia postprandial é o aumento das concentrações de glicose no sangue após uma refeição, esta resposta varia em função da natureza dos alimentos consumidos e pode ser de diferentes medidas e duração.

A hidroxipropilmetilcelulose causa uma redução na resposta glicémica postprandial, devido à criação de soluções viscosas no trato gastrointestinal. A razão pela que as fibras dietéticas produzem este efeito parece ser o atraso no esvaziamento gástrico, a redução do acesso das enzimas digestivas aos seus substratos e a disfunção reduzida à superfície de absorção do intestino.

Este efeito retardando resulta muito benéfico para as pessoas diabéticas, embora em pessoas saudáveis com tolerância normal à glicose, ainda não se demonstrou que esta diminuição tenha efeitos fisiológicos. No entanto, parece que poderia resultar benéfica, já que ajuda a diminuir a resposta à insulina e a expressão de lipogénese hepática e por tanto favoreceria a prevenção de algumas doenças como a diabetes tipo 2 ou fígado gordo, (esteatose hepática) em termos médicos.

Conservação dos níveis adequados de colesterol.

A fibra solúvel HPMC, especialmente em graus de alta viscosidade, pode diminuir significativamente os níveis de colesterol total e LDL plasmáticos. Além disso, esta fibra tem a vantagem de não ser fermentada pela flora intestinal, não produzindo os efeitos típicos deste tipo de fermentação (gases, flatulência, distensão abdominal, etc..).

O mecanismo pelo qual o HPMC tem efeito hipocolesterolémico não está completamente estabelecido, uma forma de explicar é que ao formar géis viscosos dificulta o contacto entre a parede intestinal e o conteúdo luminal. Assim, da mesma forma que outras fibras solúveis, a hidroxipropilmetilcelulose poderia reduzir ou diminuir a absorção de colesterol, ácidos biliares e hidratos de carbono.

Dosagem

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (ESFA), indica que a quantidade necessária para produzir o efeito benéfico deve ser de 4 g por refeição, no caso da diminuição da resposta glicémica postprandial, e de 5 g por dia divididos em duas tomas para os casos de conservação dos níveis plasmáticos adequados de colesterol. Não foi estabelecida uma ingestão diária aceitável (IDA) máxima para as celuloses modificadas.

Sugerimos também