Os aditivos alimentares são de temer?

quinta, 9 de janeiro de 2020

Os aditivos alimentares continuam a ser um tema de debate e desconhecimento na alimentação que preocupa a muitos consumidores 😕 .Inconscientemente, existe um medo destas substâncias que estão escondidas atrás de uma nomenclatura complicada de letras e números, mas.. sabias que muitos deles podemos encontrá-los naturalmente em muitos aimentos? 💡 Neste artigo vamos dar algumas informações necessárias para termos consciência e estarmos seguros da inocuidade do que comemos. 

O que são e para que se utilizam?

Os alimentos são expostos a condições ambientais que podem modificar a sua composição original como as alterações de temperatura ou a oxidação dos seus compostos. Atualmente, a produção alimentar é tão ampla que os aditivos alimentares desempenham um papel importante para manter as qualidades e caraterísticas dos alimentos que os consumirdores exigem, de forma que se mantenham seguros, nutritivos e apetecíveis durante todo o seu processo, ou seja desde o “campo à mesa”🐄🥦. Além disso, embora estas substâncias só recentemente tenham começado a ser bem identificadas, muitos aditivos têm sido utilizados há séculos como conservantes alimentares, tais como sal, açúcar ou alguns antioxidantes… Aditivos naturais!

 

A OMS define os aditivos alimentares como “substâncias que se adicionam aos alimentos para manter ou melhorar a sua inocuidade, a sua frescura, o seu sabor, textura ou o seu aspeto”. A sua utilização deve de estar bem justificada e responder a uma necessidade tecnológica perfeita como a de conservar a qualidade nutricional dos alimentos ou melhorar a sua estabilidade. Não podem confundir o consumidor e, como dissemos antes, são adicionados voluntariamente apenas para beneficiar o alimento em alguns aspetos de forma a manterem as suas propriedades intatas durante muito mais tempo.

Funções principais: 

  1. Fornecem uma textura consistente, uniforme e não pegajosa. 
  2. Preservam a salubridade do alimento, ou seja, reduzem os danos que alguns microorganismos expostos ao alimento podem causar no seu processamento.
  3. Controlam o equilíbrio ácido-base dos alimentos e permitem uma melhor fermentação a fim de obter um certo sabor ou cor.
  4. Melhoram a cor e o sabor… Mais apetecíveis!

São seguros?

Os aditivos alimentares podem ser obtidos a partir das plantas, dos animais, dos minerais ou de forma sintética. Independentemente da sua origem, todos devem passar por uma exaustiva avaliação tanto toxicológica como com ensaios que garantem a sua inocuidade dentro do estabelecimento da ingestão diária admissível que é a estimação da quantidade que se pode ingerir dessa substância durante toda a vida sem que haja risco para a saúde. 💙

Este controlo rigoroso é realizado pelas instituições principais como a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), assim como os governos nacionais e autónomos, neste caso é a ASAE a encarregada de avaliar a sua segurança. Todos os aditivos autorizados em Portugal, igualmente como em todos os países da União Europeia, aparecem numa lista positiva de aditivos…Todos são completamente seguros!

Para saber quais são os aditivos de um alimento, basta ver a sua etiqueta. São nomeados por um código composto pela letra E seguida por três dígitos, sendo as centenas o número que se refere ao tipo de aditivo.

Por outra parte, é muito importante ter em conta que muitos produtos alimentares contêm substâncias naturais que estão autorizadas como aditivos alimentares. Um bom exemplo são as maçãs 🍎🍏 que contêm de forma natural riboflavibas (E 101), carotenos (E 160a), ácido ascórbico (E 300), ácido cítrico (E 330) ou ácido tartárico (E 334) entre outros. Existem muitos mais aditivos que podemos encontrar nos alimentos no qual são completamente naturais… mesmo que o seu nome nos confunda! Aqui deixamos-vos alguns para não serem enganados com os seus nomes difíceis:

 

  O que é? Uso na indústria alimentar
E100 → Curcumina  É uma especiaria extraída do rizoma de uma planta e constituí um dos principais ingredientes do caril. Proporciona uma cor amarela viva aos alimentos e, por isso, é utilizado como corante.
E330 → Ácido cítrico É extraído naturalmente de muitas frutas cítricas. A sua capacidade de neutralizar o pH e prolongar a vida útil dos alimentos significa que é utilizado como conservante e antioxidante.
E160a → Carotenos É obtido naturalmente pela extração de cenouras, óleo de palma ou algas. O nosso corpo é capaz de transformá-lo em Vitamina A. Também é utilizado como corante devido à sua potente cor amarelo-alaranjada..
E60d → Licopeno É extraído naturalmente dos tomates, melancias e fungos. Muito conhecido pelas suas propriedades antioxidantes! É frequentemente utilizado em molhos, complementos alimentares e sobremesas como corante, devido à sua cor vermelha escura.
E140 → Clorofilas É o pigmento natural presente nas plantas e responsável pela sua cor verde. É extraído de plantas e algas. É usado em licores, refrigerantes e pastilhas elásticas como corante verde.

O aditivos alimentares autorizados são substâncias completamente seguras para a saúde e também permitem que muitos alimentos sejam acessíveis e mantenham a sua inocuidade.

 

 

Sugerimos também

Deixa um comentário