G, Wiki

Para que serve glucoronolactona? Benefícios e propriedades | NutriTienda

sexta, 1 de janeiro de 2010

A D-glucuronolactona é um carboidrato que se forma naturalmente no fígado a partir da glicose, também está presente nas plantas (sobretudo nas resinas e sálvias) e em alguns alimentos (a fonte mais rica é o vinho, com quantidades de até 20 mg/dl).

É muito conhecida porque tem sido adicionada como ingrediente à bebidas energéticas onde normalmente aparece em concentrações de 250 a 2500 mg/L, estas bebidas se utilizam para combater a fatiga e proporcionar sensação de bem-estar geral.

A D-glucurono-γ-lactona consumida por via oral absorve-se muito rápido, metaboliza-se e excreta-se como, xilitol, L-xilulosa e ácido glicólico. O pH fisiológico encontra-se em estado de equilíbrio com o seu conjugado, o ácido D-glucurónico.

É um componente estrutural muito importante do tecido conjuntivo e tem um papel hepatoprotetor, além disso, em alguns animais pode ser sintetizado a vitamina C endogenamente a partir do glicurónico, mas não é o caso do ser humano, que não possui essa rota metabólica.

Benefícios da sua contribuição

Melhora do rendimento.

Crê-se que a glucuronolactona produz melhoras no rendimento e diminuição da fatiga, graças à sua capacidade de eliminar toxinas.

É um ingrediente fundamental nas bebidas energéticas, junto com a cafeína e a taurina. No entanto, ainda não está demonstrado que consumida de forma isolada possa ter esses efeitos. As bebidas energéticas atuam diminuindo a sonolência, melhorando a concentração e o tempo de reação. Alguns estudos mostraram melhores resultados no rendimento de desportistas suplementados com bebidas energéticas que continham taurina e glucurolactona, em comparação com a suplementação com bebidas energéticas que não as continham.

Efeito sobre as articulaçõe.

O sulfato de condroitina é um composto que forma parte da matriz da cartilagem e compõe-se de unidades de repetição lineais de ácido D- glucorónico e N-aceltil-galactosamina. O ácido glicurónico é o conjugado da glucuronolactona. Por este motivo, embora ainda não esteja muito estudado, poderia ajudar a conservar as articulações ao ser necessário para formar um dos componentes essenciais da matriz.

Protetor hepático, desintoxicante.

A glucuronolactona é considerada um desintoxicante, devido à capacidade que tem o ácido glicurónico de associar-se com certas substâncias e formar uns compostos denominados glicuronídeos. Estes glicuronídeos são mais hidrossolúveis do que as moléculas originais e se excretam com mais facilidade por via renal. Estes compostos com os que se conjuga o ácido glicurónico normalmente são esteróides, fármacos e também a bilirrubina.

Adicionalmente, parece que a glucurolactona pode diminuir a quantidade de enzima glucuronidase, que hidrolisa os compostos glucorónidos, dificultando a sua excreção. De forma que a glucuronolactona poderia reduzir o número de glicuronídeos hidrolisados para que possam ser excretados com normalidade. Se a atividade da glucuronidase for alta, associa-se com certos tipos de cancro sobretudos aqueles que são dependentes de hormonas.

Dosagem

A quantidade de glucuronolactona que proporcionam os suplementos varia de 100 mg até 1000 mg e normalmente se incorporam à produtos pré-treino.

Precauções

O limite até o qual não se observaram efeitos adversos da D-glucurono-γ-lactona (NOAEL) é de 1000mg/kg de peso corporal/dia. A autoridade europeia para a segurança alimentar (EFSA) afirma que o consumo de glucuronolactona dentro destes valores não supõe nenhum risco à saúde dos consumidores.

Devido às suas propriedades glicogénicas, os diabéticos devem ter cuidado ao consumir suplementos que contenham quantidades importantes de glucuronolactona.

Segundo a EFSA não existem alertas de mutagenidade ou carcinogenicidade, já que é um metabolito que se forma naturalmente no corpo.

Sugerimos também