G, Wiki

Para que serve glicerina? Benefícios e propriedades | NutriTienda

sexta, 1 de janeiro de 2010

O glicerol é um álcool trivalente que contém na sua estrutura três grupos hidroxilos (-OH). A sua fórmula química é C3H8O3 e também pode ser chamado como glicerina ou 1, 2, 3 propanotriol. A sua forma fisica é líquida e viscosa, muito higroscópica que pode associar a metade do seu peso em água.

Na alimentação o glicerol é obtido a partir dos triglicéridos, pode ser sintetizado pelo corpo  como produto intermédio do metabolismo dos hidratos de carbono e pode ser fabricado sinteticamente por fermentação de açúcares. O glicerol pode atua como precursor da glicose, embora em condições normais não suponha mais do 5% da produção de glicose, em situações de falta de ingestão pode chegar a supor o 20% da glicose formada pelo fígado e os rins para manter a glicemia. O glicerol aumenta a pressão osmótica dos fluídos aumentando o volume de líquidos corporais.

Aparece na lista de aditivos como E-422 e age como agente hidratante, solvente e plastificante. Tem grande capacidade para formar pontes de hidrogénio com a água, sendo utilizada para formar polímeros. O glicerol também pode resultar como subproduto na fabricação de sabão e na hidrólise de gorduras e óleos.

Benefícios da sua contribuição

Hiper-hidratação.

O consumo de glicerol por atletas contribui para conseguir um estado de hiper-hidratação. A hiper-hidratação antes do exercício foi estudada como ferramenta para combater a diminuição do rendimento causado pela desidratação. Quando se faz exercício físico em ambiente húmido e caloroso pode-se produzir uma grande perda de líquidos, sobretudo se não se repõem a perdas de fluídos ou se o exercício for muito prolongado (2-3 horas). Uma perda de apenas 1 ou 2% do peso corporal, reduz a capacidade de resistência ao ser alterada a capacidade termorreguladora e cardiovascular.

Mantendo o volume do plasma, pode-se manter o gasto cardíaco e melhorar a capacidade de termorregulação. Por esta razão, é importante começar a atividade desportiva com um estado de hidratação adequado. Quando se provoca um estado de hiper-hidratação antes de começar, o sistema renal elimina o excesso após uma hora aproximadamente. Alguns estudos indicam que, se a hidratação se produz com o glicerol poderia prolongar o período de hiper-hidratação até quatro horas mais. Além disso, o glicerol pode ser utilizado como fonte de energia ou servir para repor a glicose plasmática durante a atividade física. Também pode-se consumir glicerol durante a atividade, ou depois para favorecer a rehidratação.

O consumo de glicerol pode melhorar o rendimento, atrasar a fatiga e ajudar a manter o estado de hidratação.

Efeitos sobre as doenças cerebrais e oculares.

Ao ingerir glicerol aumenta a sua concentração no sangue, mas este não entra facilmente no cérebro nem nos olhos, assim que mediante Osmose ajuda a reduzir o excesso de fluídos destes tecidos. Foram utilizadas doses de 0,25-2,0 g/kg para reduzir a pressão intracraneal em acidentes cerebrovasculares, meningite ou encefalite, assim como para reduzir o volume do cérebro em processos neurocirúrgicos e diminuir a pressão ocular e glaucoma.

Dosagem

Como aditivo não existem especificações acerca da dose diária aceitável. Os indivíduos saudáveis podem tolerar facilmente doses de até 1,5 g/kg.

Calcula-se que são necessários 1,2 gramas por cada kg de peso corporal dissolvidos com 26 ml/kg de líquido, esta dissolução dever ser consumida ao longo de 60 minutos, finalizando como mínimo 30 minutos antes do início da atividade.

Também pode-se consumir durante a atividade física, embora esta quantidade esteja menos definida, crê-se que consumir 0,125 gramas de glicerol por kg de peso dissolvido com 5 ml de líquido por cada quilograma de peso corporal pode ajudar a atrasar a fatiga. Também pode-se consumir após a atividade física para favorecer a reidratação com uma equivalência de 1 g/kg de peso dissolvido com 1,5 litros de líquido.

Crê-se que não existe vantagem ao aumentar a dose acima de 1,2g/kg, já que tanto a água como o glicerol extra, são eliminados através da urina.

Precauções

O glicerol considera-se seguro e não apresenta toxicidade sempre que for consumido em quantidades inferiores à 5 g/kg de peso corporal. Embora os efeitos secundários são rara vez manifestados, pode aparecer dor de cabeça, náuseas, desconforto no estômago ou visão turva ou baça. Para evitar estes transtornos recomenda-se não consumir o glicerol em excesso nem sem a quantidade de água necessária.

Por outra parte, o maior volume plasmático tem como consequência um aumento do peso corporal que deve-se ter em conta, especialmente nos desportos onde se compete por categoria de peso.

O aumento do volume plasmático produz uma hemodiluição que contribui para camuflar substâncias dopantes, por esta razão o WADA proibiu o seu consumo em doses que possam contribuir para a camuflagem do uso destas substâncias. Calcula-se que quantidades superiores à 0.032±0.010 g/kg de massa muscular livre de gordura podem ser detetadas em análises de urina, de modos que recomenda-se aos atletas que devam submeter-se à testes de controlo de dopagem ter precaução com o consumo de glicerol.

Sugerimos também