D, Wiki

Para que serve Dextrose? Benefícios e propriedades | NutriTienda

sexta, 1 de janeiro de 2010

A Dextrose é um nome alternativo para denominar a D-glicose. Um monossacárideo com forma química C6H12O6 que fornece 4 kcal por grama, com boa solubilidade e um poder edulcorante menor do que o da sacarose, aproximadamente o 70%.

A glicose é uma das principais fontes de energia para as células do corpo humano e é a forma de açúcar que encontramos maioritariamente no sangue. A glicose pode ser armazenada em forma de glicogénio no fígado e no músculo, para ser utilizada posteriormente como fonte de energia como ao realizar exercício intenso ou em casos de jejum. A glicose é utilizada como substância de referência para determinar o índice glicémico e por tanto, o consumo de dextrose apresenta um índice glicémico de 100%. O índice glicémico dos alimentos é a capacidade que têm para aumentar o teor de glicose no sangue após a sua ingestão.

A dextrose fornece energia de forma rápida, já que a sua digestão e absorção são rápidas. No entanto, devemos considerar que ao tratar-se de uma molécula de baixo peso molecular, se a sua concentração numa dissolução for muito alta, aumenta a osmolaridade da dissolução. A osmolaridade é definida como a concentração total em número de moles que tem uma substância em dissolução. De modos que as moléculas com menor peso molecular têm osmolaridades mais altas. A osmolaridade é um dos principais fatores que afeta à velocidade de absorção, já que quando aumenta a osmolaridade da dissolução atrasa o esvaziamento gástrico. Este é o caso da dextrose, que ao ser um monossacárideo, se for tomada de forma muito concentrada pode atrasar a sua passagem pelo estômago até o intestino para poder ser absorvida. Para evitar isso, recomenda-se tomar bebidas com um teor de dextrose inferior ao 8%.

  • Na natureza a D-glucose ou dextrose aparece normalmente associada a outros monossacárideos como a frutose ou outras moléculas de glicose, formando moléculas como a sacarose ou o amido. Pode-se encontrar sobretudo em alimentos ricos em hidratos de carbono como cereais ou batata. A dextrose costuma ser adicionada à produtos como bebidas energéticas desportivas ou soros intravenosos. 

Benefícios da sua contribuição

Durante o exercício:

Durante a atividade muscular os músculos obtêm a glicose dos depósitos de glicogénio e da glicose plasmática. Quando o exercício se prolonga vai-se esgotando a glicose dos depósitos de glicogénio muscular e hepático, favorecendo o surgimento da fatiga e aumentando o risco de sofrer uma hipoglicemia. A ingestão de dextrose durante o exercício fornece energia de rápida disposição para manter a atividade muscular e para manter os níveis de glicose. Devemos lembrar que o cérebro alimenta-se quase exclusivamente de glicose e que a falta da mesma pode obrigar a deter a atividade ou gerar sintomas como náuseas, palpitações, palidez, confusão, tonturas ou perda da consciência. A entrega de energia em forma de dextrose pode atrasar a fatiga e permite manter o nível de atividade física e melhorar o rendimento desportivo em comparação com quando não se consome. É especialmente recomendável consumir dextrose ou alguma fonte de carboidratos quando a atividade é superior a uma hora.

Depois do exercício:

A dextrose consumida depois da realização de exercício físico, ajuda a repor os depósitos musculares e hepáticos de glicogénio. As reservas de glicogénio esgotam-se aproximadamente após 90 ou 120 minutos de exercício intenso, e consumir carboidratos de alto índice glicémico horas após a atividade contribui para recuperar os depósitos gastos. A resíntese de glicogénio é mais rápida durante as primeiras horas após o exercício porque as proteínas que transportam a glicose encontram-se mais ativas e a membrana plasmática muscular mais permeável. O consumo combinado de carboidratos e proteínas melhora a resíntese de glicogénio. Recuperar os depósitos de glicogénio o mais rápido possível é especialmente recomendável para os desportistas que realizam treinos ou competições sucessivas ou em dias consecutivos.

Dosagem

Durante a atividade física: aconselha-se consumir entre 30 e 60 gramas de glicose por hora em atividades superiores a 1 hora de duração.

Depois da atividade física: para potenciar a resíntese das reservas de glicogénio, aconselha-se consumir 8-10 g/kg/dia de carboidratos junto com 0,2-0,5 g/kg de proteínas nos seguintes 30 minutos após o exercício.

Precauções

Deve-se ter precauções em caso de diabete, já que pode produzir uma acumulação de glicose plasmática que pode resultar nociva para estas pessoas. Não aconselha-se consumir grandes quantidades de dextrose momentos próximos ao início da atividade física, nem grandes quantidades em um curto espaço de tempo, já que ao apresentar um índice glicémico alto gera um estímulo maior de insulina que pode desembocar numa hipoglicemia durante a atividade física. Para evitar que isto aconteça, aconselha-se consumir de forma progressiva e em pequenos goles.

Sugerimos também