Como proteger o teu animal de estimação dos golpes de calor

quarta, 26 de junho de 2019

Aproxima-se uma forte onda de calor, e igualmente que nós, os nossos animais de estimação devem ser protegidos corretamente. Por isso, damos-te uns simples conselhos para que o teu melhor amigo não sofra nenhum golpe de calor e possam desfrutar juntos do bom tempo veranil.

Sweat Dog GIF - Sweat Dog Wet GIFs

NUNCA deixes o teu animal de estimação no carro

O teu companheiro peludo é o mais fiel dos teus companheiros e como tal, merece ser cuidado. Por isso, é importante ter algo muito claro: unir carro e calor pode ser uma combinação muito perigosa para o teu animal de estimação se não tomas as precauções certas.

É no interior dos veículos onde ocorrem os mais perigosos golpes de calor que afetam o animal.

O golpe de calor provoca que o teu animal de estimação sofra um colapso devido a um aumento repentino da sua temperatura corporal e pode chegar, inclusive, a ser mortal em apenas 15 minutos. Na verdade, é um transtorno grave que um cão apresenta quando não consegue eliminar mais calor do que gera ou recebe. A sua temperatura corporal subirá e o seu sistema nervoso ver-se-á afetado. Sem dúvida, o lugar onde se regista com maior frequência é no interior de um veículo.

O turismo no verão armazena e retém o calor com muita facilidade, especialmente quando o carro está parado, chegando a alcançar os 80 graus. É importante ter em conta que a temperatura do teu cão, em condições normais, deve rondar os 39 graus. Além disso, os cães não transpiram como os humanos: regulam a sua temperatura apenas pela boca, respiração e arfando, tornando-os mais propícios a sofrer o golpe de calor. Não é muito difícil de imaginar o que lhe pode passar se deixas à tua espera no interior do carro… 

Sintomas do golpe de calor em cães

No entanto, os golpes de calor não ocorrem apenas quando se está num veículo. O nosso animal de estimação também pode ser afetado por eles durante as ondas de calor estivais que não dependem tanto do fator humano. Por isso, queremos dar-te uma série de orientações para identificares os sintomas mais comuns e agires rapidamente. Aponta! 

  • Temperatura corporal superior a 42º C
  • Respiração dificultosa e arfar excessivo. Os cães como focinho achatado são mais propícios a sofrê-lo.
  • Falta de forças. Pode negar-se a andar.
  • Lingua pegajosa e descolorada ou demasiado escura.
  • Cãibras e tremores musculares.
  • Coloração azulada na pele (causada pela perda de oxigenação no sangue).
  • Torpor e oscilação, com possível perda de consciência.
  • Diarrea e vómitos.
  • Taquicardias.
  • Perda de conhecimento ou coma nos casos mais graves.

Se vês que o teu animal de estimação sofre de alguns destes sintomas depois de uma exposição ao calor ou ao sol, o primeiro que deves fazer é baixar a sua temperatura corporal. Se se trata apenas dos dois primeiros sintomas, procura uma sombra, oferece-lhe água e refresca-lhe pouco a pouco até que se estabilize e a sua respiração volte à normalidade. Em casa, podes preparar-lhe um banho (com água não muito fria e sem gelo), mete-o pouco a pouco para que não sofra uma mudança brusca de temperatura: começa pelas patas, depois refresca-lhe a cabeça e o pescoço e, quando volte à normalidade, dá-lhe banho por completo. Mas repetimos: pouco a pouco, nunca de repente.

Caso contrário, se a situação for mais grave, procura alternativas. Por exemplo, podes empapar uma t-shirt em água e aplicá-la como um pano húmido no corpo e cabeça. E o mais importante: acode ao seu veterinário o mais rápido possível.

 

 

EVITA que o te cão sofra um golpe de calor

Há que ter em conta que há fatores principais que influenciam neste transtorno e cuja combinação pode ser determinante:

  1. Exercicio físico, que aumenta a temperatura corporal do nosso animal de estimação.
  2. Temperatura ambiente. Tal como as rajadas mais quentes nos afectam, o nosso cão pode sofrê-las. Uma temperatura elevada faz com que o nosso cão perca a capacidade de eliminar o calor.
  3. Falta de hidratação. 

Se somamos os três fatores, sabemos o que temos que evitar obrigatoriamente: o esgotamento físico do nosso patudo a altas temperaturas e sem água para ajudar.

Passeios? Sim, mas com precaução

O passeio é, sem dúvida, o melhor momento do dia para o teu cão. Além de fazer as suas necessidades, também permite-lhe que se sinta estimulado e possa socializar com outros cães e pessoas. Mas, escolher bem o horário é fundamental para garantir que tenha um passeio de qualidade e o seu dia a dia seja tão bom como seria de esperar.

No verão, o mais conveniente é passear o nosso amigo peludo na primeira hora da manhã e última hora da tarde, já que são as horas em que o sol menos aperta. Além disso, sabias que o teu cão pode queimar as almofadinhas durante os seus passeios se o sol tiver aquecido as calçadas? Comprova que o chão tem a temperatura adequada com a regra dos 5 segundos: aguenta com as costas da tua mão sobre o asfalto durante esse tempo. Não podes? Então o teu cão também não vai poder.

Como sabemos, é inevitável que o teu cão não realize os seus passeios diários, mas, no verão e especialmente com as ondas de calor a ameaçar, deves alterar as suas rotinas se houver necessidade. O mais recomendável é evitar sair nas horas mais quentes (alerta de fator número 2). No caso de que não possas evitá-lo e sejam apanhados pelo calor (nos referimos às temperaturas superiores a 25.º) deves tomar algumas precauções:

  • Não te esqueças a água. Ambos irão necessitá-la, especialmente se estão em plena caminhada.
  • Vigia o teu cão. Deves ter atenção ao seu estado durante todo o tempo.
  • Evita a excitação excessiva e reduz a actividade física. Se ele é muito brincalhão, prende-o.
  • Faz uma paragem em cada oásis de sombra. aproveita para que recupere o hálito e para que beba água. E se na paragem houver um riacho ou um lago para dar um mergulho, usa-o para se refrescarem!
  • Se o vires “chafurdar” numa área de plantas, não o pares! Estará a refrescar-se com a sua humidade.

 

E se o que quiserem é passar bem e brincar durante o passeio, podem utilizar brinquedos refrescantes. Falamos de ossos, rodas ou pesos que estejam feitos para serem congelados, convertendo-os na diversão mais refrescante do teu cão. Mas, como já nos referimos anteriormente, sempre nas horas de menos calor.

Em casa também deves tomar algumas precauções e, se tens jardim ou varanda, deves facilitar zonas de sombra para que o teu cão possa proteger-se do sol e deixar-lhe água fresca sempre à sua disposição. 

Fatores de risco: cães braquiocefálicos ou com problemas cardíacos e de peso

Outro fator de risco que devemos ter em conta é a raça: os cães de focinho achatado são mais propícios a sofrerem golpes de calor. Falamos dos braquicéfalicos (boxer, carlino, pug, bulldog…). Presta especial atenção no bem-estar destas raças nos dias de mais calor! Porque, para eles será mais difícil arfar para libertar o seu calor corporal. 

Além deles, aqueles cães com mais idade, os que têm excesso de peso ou sofrem de cardiopatias são mais propícios a sofrer um golpe de calor. Para evitar acidentes indesejados, o melhor é seguir algumas recomendações práticas:

  • Limitar o exercício diário e realizá-lo nas horas de pouco calor (primeira hora da manhã e última hora da tarde).
  • Ter sempre água fresca e limpa à disposição do cão.
  • Evitar dar de comer ao cão durante as horas de mais calor.
  • Reservar um lugar fresco para o descanso do cão: podem utilizar-se, inclusive, mantas refrescantes para permitir que o cão se sinta confortável.
  • Utilizar arnés em vez de coleira, para não pressionar sobre o pescoço e as vias respiratorias do cão.
  • Evitar os passeios nas horas de muito calor, como já mencionamos.

Acessórios para ajudar o teu animal de estimação a não passar

Igualmente que os brinquedos refrescantes, existem vários acessórios que podes conseguir para fazer com que o teu animal de estimação passe melhor o verão, aqui apresentamos-te alguns deles:

Coletes refrescantes. Certamente já viste algum cão no parque com um colete refrescante. Este acessório para cães apenas precisa ser submergido em água uns minutos e mantém-se ativo cerce de 5 dias. Quando o efeito frio passa, somente tens de repetir a operação.

– Mantas e camas frias. Não é verdade que quando faz calor tiras a manta da cama e deixas só os lençóis? Pois, ao teu animal de estimação passa-lhe o mesmo: pode passar calor na tua cama. Podes ajudar-lhe com uma manta fria ou uma cama refrescante (esta última esfria-se com cubos de gelo ou materiais de efeito frio).

– Piscinas para cães. Se tens espaço em casa, uma varanda ou um jardim, porque não colocar uma piscina para o cão? Existem raças, como o golden retriever, que vão adorar passar o dia de molho.

Fontes de água fresca. Para que o calor e o sol não afetem o cão, as fontes de água e os bebedouros refrigerados, são boas soluções que podes instalar no teu jardim.

– Pentes que aceleram a muda do pelo. Quando o cão muda o pelo na época de calor, o que faz é desfazer-se do subpelo, essa espécie de algodãozinho que no inverno lhe proporciona calor e no verão serve-lhe para pouco. Para lhe ajudar a passar antes por esse processo e estar mais fresco, penteia-o frequentemente de forma suave.


Se tens em conta as nossas recomendações, irão poder desfrutar juntos do verão da melhor forma evitando consequências graves.

 

Sugerimos também

Deixa um comentário