B, Wiki

O que são os Citrus Bioflavonoids? Benefícios e propriedades | NutriTienda

sexta, 1 de janeiro de 2010

Os bioflavonóides cítricos são comummente conhecidos como vitamina P, flavonóides cítricos ou como citroflavonóides.

Os bioflavonóides cítricos são substâncias vegetais não nitrogenadas. São flavonas glicosídicas presente na sua grande maioria nos cítricos. Estes bioflavonóides são substâncias que, embora não essenciais para a vida, ajudam a melhorar a saúde do consumidor.

Se conhecem mais de 600 bioflavonóides na natureza, mas os principais bioflavonóides encontrados nas frutas cítricas são: quercetina, rutina, hesperidina, diosmetina, narirutina, neohesperidina, nobiletina, tangeretina e naringina.

Os bioflavonóides cítricos os podemos encontrar em praticamente todos os cítricos, embora o seu teor varie consideravelmente de uma fruta cítrica a outra e dentro de uma fruta, da parte da fruta onde se extrai os bioflavonóides, encontrando-se na sua grande maioria na parte branca do interior da pele.

Benefícios da sua contribuição

São numerosos os efeitos benéficos associados aos bioflavonóides cítricos, mas dentro dos mesmos cabe destacar:

A sua função fortalecedora das paredes dos vasos sanguíneos, além de dar-lhes flexibilidade, permitindo assim lutar contra as doenças dos vasos sanguíneos e do sistema linfático, incluindo as hemorroides, insuficiência venosa crónica, úlceras varicosas, o surgimento fácil de hematomas, hemorragia nasal ou linfedema subsequente à cirurgia do cancro de peito.

O sue poder antioxidante é útil para prevenir os efeitos nocivos dos radicais livres. Previne a oxidação dos vasos sanguíneos, além disso, parece que fomenta a absorção da vitamina C, especialmente importante devido ao seu poder antioxidante.

Efeito dos bioflavonóides cítricos contra:

Hemorroides:

Após diferentes ensaios clínicos sugere-se que uma combinação de diosmina e hesperidina micronizadas pode resultar como um tratamento eficaz para aliviar o sangramento das hemorroides. Isto não quer dizer que o resto de bioflavonóides cítricos não sejam igualmente benéficos para esta função, mas necessita-se mais investigações a respeito.

Hematomas ou hemorragias nasais:

Indivíduos com tendência a sofrer hematomas ou sangramento nasal notaram melhorias com a suplementação de diosmina e hesperidina. Estas melhorias resultam especialmente interessantes para os desportistas.

Insuficiência venosa crónica:

Observaram-se efeitos benéficos com a ingestão combinada dos bioflavonóides cítricos diosmina e hesperidina ou com o uso de bioflavonóide rotina em casos de insuficiência venosa crónica que cursa com umas veias nas pernas especialmente debilitadas.

Colesterol:

Os bioflavonóides cítricos parecem ajudar a reduzir os níveis de colesterol no sangue. É especialmente destacável para esta função a naringina, que além de ajudar a reduzir os níveis de colesterol no sangue colabora com os diferentes problemas associados à síndrome metabólica.

Se deseja saber mais acerca dos benefícios e funções deste flavonóide, convidamos-te a visitar a sua página: naringina.

O efeito antioxidante dos bioflavonóides cítricos em combinação com a vitamina C (vitamina antioxidante), aumenta o efeito antioxidante, influindo muito a favor contra o colesterol, já que evita a sua oxidação nos vasos sanguíneos.

Hipertensão:

Os bioflavonóides cítricos são benéficos para o tratamento da distrofia muscular, já que ajudam a baixar a pressão sanguínea moderadamente. Além disso administrada com vitamina C, o seu efeito benéfico contra a hipertensão aumenta.

Inflamação:

Estes bioflavonóides parece que também controlam a inflamação e inclusive as infeções. É especialmente interessante para o tratamento da inflamação asmática.

Diabetes:

Numerosos estudos forneceram informações acerca dos benefícios da ingestão de diferentes bioflavonóides cítricos sobre as pessoas diabéticas. Patologias que afetam aos diabéticos como a desordem dos capilares sanguíneos dos olhos, parece que responde de forma positiva ao tratamento com bioflavonóides e vitamina C.

Alergia:

Observou-se a eficácia com o consumo destas substâncias na redução das reações alérgicas.

Cancro:

Devido ao poder antioxidante dos bioflavonóides cítricos contra os radicais livres, diferentes estudos dão fé aos bioflavonóides cítricos como preventivos contra diferentes tipos de cancro, no entanto, necessita-se ainda mais investigações para poder determinar o poder destes ingredientes como anticancerígenos.

Linfedema:

Os bioflavonóides cítricos também foram testados, com certo êxito, no tratamento de linfedema (inflamação do braço) após a cirurgia de cancro de mama. Unicamente deve-se ter em conta que não se deve combinar os bioflavonóides que contenham tangeretina com tamoxifen, se o toma contra o cancro de mama.

Acne:

Ao parecer o bioflavonóide cítrico nobiletina inibem a produção de sebo e inibe a proliferação de sebócitos, (células que formam a glândula sebácea), sendo assim, este bioflavonóide em concreto é considerado como anti-acne.

Abordo:

Dizem que o consumo conjunto das vitaminas P e C ajuda a prevenir abordos espontâneos, no entanto, fazem falta ainda mais investigações a respeito para poder confirmar esta conclusão.

Dosagem

Não foram estimadas doses máximas para o consumo de bioflavonóides cítricos na dieta, já que não foram reportados efeitos secundários por consumo moderado dos mesmos.

A dose mais comummente empregada de bioflavonóides mediante suplementos alimentares é de umas 1000 mg ao dia em duas tomas de 500 mg cada uma. Normalmente complementa-se apenas com um ou dois bioflavonóides cítricos em concretos. Os mais empregados são diosmina e hesperidina.

Precauções

O excesso de bioflavonóides cítricos elimina-se através da urina e o suor, sendo assim, não representa nenhum tipo de problema o seu excesso.

Investigações exaustivas com diosmina e hesperidina, demonstraram que não são tóxicas e que são livres de interações com outros medicamentos. A investigação foi levada a cabo com a combinação mencionada, administrada à 50 mulheres grávidas, sem causar dano aparente às mães nem aos bebés.

Se está em tratamento com o medicamento tamoxifen contra o cancro de mama, recomenda-se evitar o consumo de frutas cítricas e os seus sucos para evitar o consumo do bioflavonóide cítrico tangeretina.

Sugerimos também