10 Curiosidades sobre o Perfume

quinta, 23 de maio de 2019

Hoje em dia é praticamente inimaginável sair de casa sem nos perfumarmos, mas, achas que pulverizar algumas gotinhas de perfume num sítio ou noutro é tudo o que podes saber sobre este cosmético?

Se na Roma antiga já era uma “arma” indispensável de gladiadores (sim, cheirar bem não é incompatível com dar tudo na areia), imagina todas as possibilidades que ela oferece (e ofereceu) ao longo da história.

Reconhece-o: a curiosidade está a começar a cheirar (bem, óbvio) dentro de ti. Solta a imaginação e descobre estas dez curiosidades do perfume que te farão olhar de outra forma para a rotina matinal de te perfumares.

Sabias que…

  1. A palabra perfume (proveniente do latim per, “por” e fumare, “através de fumo”) faz referência ao fumo aromático que a madeira libertava quando era queimada. A cerimónia de queimar madeiras aromáticas para agradar as divindades vem da Idade da Pedra.
  2. A diferença entre “Eau de Cologne”, “Eau de Toilette” e “Eau de Parfum” é o grau de concentração de essências na sua composição, o que marca tanto a sua duração como a sua densidade. Num EDC seria entre 2% e 4%, EDT 5%-15% e EDP 15%-20%.
  3. O uso de perfumes está contemplado em diferentes partes da Biblia. Um exemplo são a mirra e o incenso que os Reis Magos ofereceram ao bebé que nasceu em Belém, ou o óleo perfumado de nardo puro que espalharam na cabeça e nos pés de Jesus de Nazaret durante um jantar na casa do Simão.
  4. Na pele existem diferentes tipos de acidez, chamado o nivel de pH. A mínima variação destes niveis nas pessoas, é suficiente para que os ingredientes de uma fragrância interagem de forma diferente em cada pele. Assim, um mesmo perfume pode ser projetado de forma diferente segundo quem o use.
  5. Durante a Idade Média, as Cruzadas trouxeram do Oriente as matérias-primas e as primeiras técnicas de perfumaria à Península Ibérica.
  6. O sentido do olfato está relacionado com o sistema límbico (encarregado de regular as respostas fisiológicas frente a determinados estímulos), é por isso que há odores que nos trazem lembranças e emoções.
  7. No Renascimento os perfumistas de todo o mundo instalam-se em Paris, convertendo as luvas perfumadas no complemento de moda em França e noutros países europeus.
  8. As peles secas fazem com que as fragrâncias durem menos tempo, enquanto que nas peles oleosas os aromas durarão mais tempo. Normalmente, as peles brancas costumam ser mais secas que as morenas.
  9. Nas festas de palácio da corte de Luis XV, soltavam pombas mergulhadas em perfumes para que espalhassem aromas diferentes. Naquela época a higiene corporal era escassa, por isso, apesar da elegância dos seus trajes, o luxo e a extravagância que reinava, disfarçavam o mau odor usando até um perfume por dia.
  10. De acordo com alguns estudos psicológicos recentes, as pessoas que usam perfume muitas vezes têm um melhor conceito de si próprias e são mais sociáveis que as que não usam ou apenas o fazem ocasionalmente.

Sugerimos também

Deixa um comentário